quinta-feira, maio 13, 2021

 

Acabo de receber um dos trabalhos mais legais que li a respeito de minha obra! Não sei se o tempo ter passado me fez entender melhor o que é dito ou se o tempo ter passado melhorou mesmo o entendimento do que fiz. Está muito bonito, profundo e simples. O Anselmo arrasou demais!

 

Saudações, Luís!

 

Finalmente, saiu publicado meu artigo, na revista Moderna Sprak, mantida pela Uppsala Universitet, na Suécia.

 

Ele pode ser baixado gratuitamente no seguinte link:

Acabo de receber um dos trabalhos mais legais que li a respeito de minha obra! Não sei se o tempo ter passado me fez entender melhor o que é dito ou se o tempo ter passado melhorou mesmo o entendimento do que fiz. Está muito bonito, profundo e simples. O Anselmo arrasou demais!

 

Saudações, Luís!

 

Finalmente, saiu publicado meu artigo, na revista Moderna Sprak, mantida pela Uppsala Universitet, na Suécia.

 

Ele pode ser baixado gratuitamente no seguinte link:

https://ojs.ub.gu.se/index.php/modernasprak/article/view/4879/3977

 

Um grande abraço!

 

Anselmo”

 

Um grande abraço!

 

Anselmo”

 

domingo, abril 25, 2021

 

Eu dou muita importância aqui, ao facebook. E faz um tempinho reduzi os meus mais de 4000 amigos daqui a pouco mais de 300. Também comecei a ser mais criterioso aos novos pedidos de amizade. Meu critério é óbvio e simples: se tem amigo em comum ou, sei lá, se não tem nada estranho, vocês sabem. De lá pra cá, com algum critério, estou com 545 amigos, antes, não tinha critério nenhum. E tou reduzindo também o meu número de páginas. Para cada trabalho meu, abri uma página. Estou reduzindo todas a Luís Capucho, apenas. Também voltei a escrever no Blog Azul, onde tenho muito pouco visitante. Já reparei que tem alguém de Uberlândia, que vai sempre. E alguém da Califórnia. Eu dou muita importância Blog Azul também.

sábado, abril 24, 2021

 

O Crocodilo é um disco saído do mesmo movimento de disco Poema Maldito, mas ele é mais pra fora. Acho que foi por conta disso que surgiu de o Tulio fazer as calçolas, que é ao mesmo tempo um movimento pra dentro e pra cima, de a gente querer ver no corpo de todo mundo as frases das músicas. Então, é algo que vai pra longe e que vem pra perto. Aqui estamos com a música Crocodilo e a música Antigamente.

Encomende a sua!

https://www.youtube.com/channel/UCadM7zbVb-HfOgv_9uaP3Rg




segunda-feira, abril 19, 2021

Antigamente - luís capucho

Ontem postei “A Masculinidade” - registrada pelo Pedro, na casa do Bruno Cosentino e falei sobre tocar com o Vitor Wutzki e o Felipe Abou e embora tivesse conseguido expressar todo o indizível que havia nessas apresentações com eles – o texto não ficou bom, me faltaram os palavras – quero repetir hoje a “Antigamente’ – também registrada por ele - que fizemos em Limeira a convite do Limeira Colorida e que foi um prolongamento desses show De Casa em Casa.

É muito legal o registro das coisas. É quando podemos olhar de fora, sabendo que nada vai dar errado, porque já aconteceu. Ao mesmo tempo, é quando podemos ver os erros todos, os erros imaginários, subjetivos, que só a gente vê. E ser melhor da outra vez.

Também ver as surpresas que não vimos na hora em que aconteceu.

Vejam:

domingo, abril 18, 2021

a masculinidade - luís capucho

Eu gostava demais, quando estávamos fazendo os shows De Casa em Casa, com o Vitor Wutzki e o Felipe Abou. Para mim, os shows com eles, me faziam lembrar de uma estória que mamãe me contava de ter encontrado uma nova patroa num banco de rodoviária, quando ele cansada de uma patroa ruim, tinha pegado as suas trouxas e estava indo para Alegre, pra casa de seu irmão.

Porque tinha a mágica de o Vítor estar am Campinas, o Felipe em Vitória, e quando nos encontrávamos para os shows, ser meio uma celebração de tudo na sala dos amigos, meio uma estão com gente de todo lugar, amigosde amigos de amigos...rs.

Esse foi na casa do Bruno Cosentino, a gente tocando A Masculinidade (Kali C Conchinha/luís capucho):

quinta-feira, abril 15, 2021

 

Essa etiqueta de maldito – eu nem me dei conta dela – apareceu pela primeira vez numa matéria do Antônio Carlos Miguel para o jornal O Globo, isso faz muito tempo, eu tinha acabado de sair do coma. Depois, isso foi ficando – eu não dou conta – e gosto de me aliar a tanto artista bom, benditos, aqui, de vanguarda. Fiquei feliz, ontem, que o Raphael me incluiu nessa seleção:

 

 Cinema Íris” (balada, 2012) – Luís Capucho
Quando Cássia Eller o gravou, em 1999, pouca gente procurou saber quem era o autor dos versos de “Maluca”. Quando Ney Matogrosso anunciou que o gravaria em 2013, muita gente foi atrás do homem do “
Cinema Íris”. Por conta de versos sobre masturbação e mudanças no projeto, Ney não registrou a música de Luís Capucho. “O disco mudou de rumo, ele achou dificuldade no projeto e não sei se irá retomá-lo”, explica o entrevistado. Natural de Cachoeiro do Itapemirim, no interior do Espírito Santo, Capucho, que é cantor, músico, artista plástico e escritor, não vê ligação da arte que pratica com os outros filhos ilustres do município. “Não sou parte dessa tradição de artistas em Cachoeiro. Não sinto que eu faça parte de um núcleo que a cidade tenha produzido. É uma coincidência”, afirma. Além de Capucho, os músicos Roberto Carlos, Sérgio Sampaio e Raul Sampaio nasceram lá. Capucho também é autor de vários livros.

 

https://esquinamusical.com.br/34-cancoes-de-vanguarda-da-musica-popular-brasileira/?fbclid=IwAR0m0H0Awxvv4m8HFNpqxeStbcTkbwuFLrhrAXMITwj4Ux5mcdrCsN9850M

quarta-feira, abril 14, 2021

 

Eu soube que os remédios para o olho estavam alterando o funcionamento do meu corpo, pelo regulamento do meu cocô, que ficou assim a qualquer hora e de qualquer jeito, mole, e pouco, inconsistente. Mais ou menos como saber que há algo de errado com o  funcionamento da nação, quando olhamos para um presidente, assim, um cocô merda, o meu.

E, ainda tive que repetir o tratamento por três vezes, que não estava funcionando para o que era.

Moral da estória: já engordei 10 kilos com a pandemia.