terça-feira, janeiro 31, 2012

1º ENCONTRO DE ESCRITORES CARIOCAS

DE LITERATURA COM TEMÁTICA GAY

Discutir um tema complexo e delicado. Esta é a proposta do 1° Encontro de Escritores
Cariocas de Literatura com Temática Gay, que acontece no dia 29 de fevereiro de 2012
na Fnac do Barrashopping, no Rio de Janeiro.

Existe literatura gay?

Como definir esse tipo de escrita?

Como é o processo para publicar um livro de temática LGBT?

Quais os caminhos alternativos para quem não consegue publicar seu livro através de
uma editora?

Estas e outras questões serão abordadas pelos escritores Luís Capucho, Kiko Riaze,
Sergio Viula e Felipe Dias, com mediação do debate pelo também escritor Fábio Fabrício
Fabretti.

Após o bate-papo haverá sorteio de livros e sessão de autógrafos.

PARTICIPANTES:
Luís Capucho – autor dos livros Cinema Orly e Rato. Como compositor tem canções
gravadas por Pedro Luís e a Parede (Máquina de escrever), Cássia Eller (Maluca), Daúde
(Romena) dentre outros.

Kiko Riaze – autor dos livros Depois de Sábado à Noite e Águas Cálidas.

Sergio Viula – autor do livro Em Busca de Mim Mesmo.

Felipe Dias – autor do livro e do site O Livro de Hélio.

Fábio Fabrício Fabretti – autor dos livros O Mistério dos Livros, O Mundo Rosa de
Amarelino, Quarenta Anos de Gloria (biografia da atriz Gloria Pires) dentre outros.

SERVIÇO:

Local: loja Fnac do Barrashopping (Av. das Américas nº 4.666, Barra da Tijuca, Rio de
Janeiro, RJ).

Data: 29 de fevereiro de 2012, quarta-feira.

Horário: 20h.

Entrada franca.

CONTATOS:
Felipe Dias | (21) 8462-8441 | livroheliodias@yahoo.com.br

Luís Capucho | (21) 2711-2787 | lcapucho@bol.com.br

Kiko Riaze | (21) 9975-8278 | kikoriaze@hotmail.com

Sergio Viula | sviula@hotmail.com






segunda-feira, janeiro 30, 2012

Estou fã da voz do Fênix, no disco A Foto Onde eu Quero Estar, onde faço uma participação no meio de “O Som do Amor Pra Sempre”. E fã do disco também, que é um tanto leve pra ouvir, embora um disco MPBzona, que costuma ser down.

domingo, janeiro 29, 2012

Fiz minha inscrição como compositor no Festival Catarse, uma confratenização de artistas de variados gêneros e se apresentar na Casa das Caldeiras, em São Paulo. Recebi a e-mail abaixo e, é hora de figa:

"Caros artistas,
Gostaríamos de agradecer a todos pelas inscrições para o Catarse 2012. A equipe de curadores tem na mão uma enorme quantidade de trabalhos de qualidade pra realizar um evento dinâmico e arrojado, como é a característica do Catarse.
A partir do dia 31/01 estaremos informando pelos contatos que foram enviados, aqueles que foram escolhidos para esta edição.
Evidentemente, diante de tantas inscrições fica impossível contemplar a todos. Mas convidamos aqueles que não forem selecionados dessa vez que mesmo assim estejam conosco na plateia, nos três dias de Festa, afinal o Catarse tem como meta principal ser um espaço para o encontro e celebração entre artistas de todas as áreas, uma catarse coletiva literalmente!
Muito obrigado e até breve!
Produção Catarse 2012"

quinta-feira, janeiro 26, 2012

Já é hora de começar a esquentar mais uma vez os tamborins pro lançamento de meu disco:



















E pra nosso bate-papo na FNAC da Barra:

quarta-feira, janeiro 25, 2012

Estive, ontem, no CPN, na tentativa de resolver o deslocamento de minha mandíbula, o que tem me causado dor. Assim que avistei o doutor, desanimei. Era um homem tão mal-encarado que, na porta do consultório, diante de sua carranca, eu estava como um moleque levado, que ganharia um esporro assim que adentrasse sua sala. Mas, entrei e nem olhei direito pra ele, ignorei.
Precisava ser atendido.
O doutor assistente, um rapazinho muito grande, que a roupa branca fazia crescer ainda mais, até se interessou pelo meu caso, me fez sentar na cadeira médica, ouviu minha queixa, examinou meus dentes e tudo, mas quando levou o caso para o doutor chefe, sem dó nem piedade, esse doutor sem consideração, disse para que eu viesse, outra vez, em fevereiro, quando o doutor Julio voltasse de suas férias.
Quer dizer, é isso aí.
Fora isso, na busca de um caminho que me tirasse do hospital, terminei por ter entrado na enfermaria, onde os doentes, aprisionados nas macas pobres, no calor, me encheram de horror, de lembrança.
Moral da estória: pesadelo essa noite!

segunda-feira, janeiro 23, 2012

Notas Musicais: 'A Foto Onde Eu Quero Estar' fica com foco quando ...

Notas Musicais: 'A Foto Onde Eu Quero Estar' fica com foco quando ...: Resenha de CD Título: A Foto Onde Eu Quero Estar Artista: João Fênix Gravadora: Sala de Som Records Cotação: * * 1/2 Cantor pernambu...
Ontem à tarde, estivemos num encontro de escritores do Rio de Janeiro que tenham feito livros cuja temática tenha sido homoafetiva, para combinar um bate-papo a ser realizado conosco no dia 29 de fevereiro na FNAC da Barra.
Depois disso, fomos ao Sacramento, onde lhe ensinei tocar “Sua Mãe” e ele passar para o Luiz Flavio Alcofra.
“Sua Mãe” abrirá seu show no Rival dia 9 de fevereiro.

Para saber mais sobre o Felipe, cliquem aqui.
Sobre o Kiko, aqui.
Sobre o Sergio, aqui.
E sobre marcos Sacramento, aqui.
Sobre o Pedro e eu, o silencioso leit@r, já sabe...

sábado, janeiro 21, 2012

Luís Capucho - Sua mãe

Na década de 80, não me lembro por qual motivo, fui visitar o Sacramento e ele não estava em casa. Veio atender-me sua mãe, e achei que não fosse ela, mas uma tia. Depois, Sacramento me contou que tinha sido sua mãe quem me atendera e, aí, silencioso leit@r, fiz essa música, “Sua Mãe”.
Em 95, fiz um show no Café Laranjeiras e a incluí, e é essa a gravação melhor que tenho dela, com Naldo Miranda tocando comigo e fazendo o vocal.
Estou feliz, porque Marcos Sacramento decidiu cantá-la em seu próximo show, em fevereiro, no Rival.
Então, tentei cifrá-la para entregar-lhe, mas me frustrou a internet. Nela, não achei os nomes dos acordes com que acompanho a melodia no violão.
Que coisa!
Já era mais de 2000, quando o Maven, amigo de Curitiba, bolou um vídeo pra ela.
Veja, bom leit@r:


sua mãe
(Luís Capucho)


F7M9 Em7/F Em7 Em7/B Dm7 Dm7/Bb C#m/A B7M9 F7M F/G


mas aquela que era a sua mãe?
nossa!
eu imaginava ela mais grudada
mais encardida
mais estampada

mais de tamanco
mais aparecendo o bico do seio
que susto!
ela é tão azul
e veio lá do escuro tão soltinha

ela saiu da cozinha e veio
era toda expectativa
e me olhava enquanto eu falava

adorei sua mãe
mas aquela que era a sua mãe?
nossa!
eu imaginava ela mais grudada
e a roupa cor de abóbora que eu pensei que ela usava
nem era vestido de alça
ih!
mas a sua mãe era adorável
a sua mãe era adorável
a sua mãe

quinta-feira, janeiro 19, 2012

A brisa da manhã, no verão, me enche de lembranças legais.
Na cozinha eu vinha pensando nisso e pensando que não estou dando conta de organizar os remédios, organizar a casa, ter de fazer a comida, não tomar café, não comer tomate... que à medida que vão entrando os anos, as coisas vão estragando, o mouse já não funciona bem, a casa ficando velha, e eu também, o desencaixe de minha mandíbula, agora, me causando dor, quer dizer, silencioso leit@r, as coisas não são unas, como dizem. Não são unas como o mar ou o deserto ou a floresta ou a brisa da manhã, no verão.
Elas são uma de cada vez.
Vou lavar a louça...

quarta-feira, janeiro 18, 2012

Jovem guarda - Diana - Ainda queima a esperança

Era início dos anos 70.
A gente morava num porão, numa rua muito pobre do Aquidabã, em Cachoeiro do Itapemirim. Não havia móveis, dormíamos espalhados pelo chão e num canto tinha um fogareiro, onde era feita a comida sem tempero.
Então, silencioso leit@r, a alegria era quando no rádio da vizinha tocava Diana. Achei a música, ontem, no Pedro, e ouvimos muitas vezes.

Veja:

terça-feira, janeiro 17, 2012

Dobie Gray - Out On The Floor (Super great!) [HD video / Very Good pictu...

Foi o Pedro quem me apresentou Dobie Gray no facebook. Adoro música americana e saí olhando outros clips e encontrei esse que divido com meus silenciosos leit@res. Dá saudade dos anos 60.
Vejam:

segunda-feira, janeiro 16, 2012

Estive, ontem, procurando fotos na internet da escola Polivalente do Aquidabã, em que cursei o ginásio, quando ainda morava em Cachoeiro do Itapemirim.
Marcos Sacramento fez show em Vitória, ES. Curtiu a receptividade dos fãs capixabas.
Depois das entrevistas que demos no Blog do Hélio, faz pouco tempo, e a partir do fato de que alguns de nós fazemos literatura no Rio de Janeiro, decidimos nos encontrar pra se conhecer e conversar pessoalmente. Surgiu a idéia de que tais encontros fossem públicos e que, através deles, divulgássemos nossos livros. Participaram do primeiro encontro eu e Pedro, os irmãos Ana e Marcio El Jaick, Felipe Dias, Kiko Riaze e Felipe, Sergio Viula.
Estamos decidindo um nome para a Turma.
Fui.

sábado, janeiro 14, 2012

Dia de verãozão na minha comunidade em silêncio. Ar parado e apenas os passarinhos engailados cantando. O Estocrim ta me dando ginecomastia dolorosa à palpação e não tem outro anti-retroviral pelo que eu queira trocar, quer dizer, silencioso leit@r, todos os outros têm pra mim um porém.
Diante de minha indecisão, o Dr. me deu um tempo para que eu pensasse.
Que coisa!

sexta-feira, janeiro 13, 2012

que isso novinha

Eu vinha voltando da Fiocruz pensando em mostrar ao meu bom leit@r um vídeo postado no youtube, onde duas meninas novinhas dublam um funk contando a história de uma “novinha” que era mais devassa do que supunha o cara que tava interessado nela, quer dizer, bom leit@r, o cara fica muito surpreso com a devassidão da menina e esse é o motivo do funk. Uma das novinhas dubla o cara que conta a história e a outra novinha dubla a “novinha” devassa. Eu queria mostrar ao meu silencioso leit@r, porque eu adoro funk. Eu adoro funk pra ouvir sozinho, comigo mesmo, porque pra ouvir em grupo eu fico pudico he he he!
E como computador é um troço individual, íntimo, então pode.
Além do quê, as meninas criaram um afastamento da história, assim, elas tiraram tanto o funk do contexto dele, que a gente ouve sem vergonha e tudo. Mas, aí, acho que elas só mostram agora pros amigos, veja:
http://www.youtube.com/watch?v=k6_4EXtVXSM&feature=player_embedded
médico...

quarta-feira, janeiro 11, 2012

vida nua

Paulo Azeviche, cantor de Brasília/Campinas, tem um projeto de disco para esse ano, aprovado em edital de São Paulo, em que interpretará músicas homoeróticas da MPB. Dentre as que escolheu, estão uma das parcerias de Marcos Sacramento com o compositor Paulo Baiano, além de “Vida Nua”, música que fiz a partir de filme, nomeado assim aqui no Brasil, mas cujo título original é “The naked civil servant”, livro auto-biográfico do artista inglês Quentim Crisp.
Ontem, Azeviche postou sobre “Pessoas são seres do mal”.
Vejam mais sobre ele no Majerona.
Aqui.


terça-feira, janeiro 10, 2012

Quando a editora Rocco decidiu que publicaria o Rato, me perguntaram por uma idéia de capa, então, eu e Pedro saímos pela rua, ele com sua antiga máquina digital de tirar retratos, procurando idéias que traduzissem minha narrativa. Achamos um buraco na praia da Urca, um buraco que era parte do famoso cassino que funcionava ali nos modernos anos 30-40 do século passado. Pedro tirou várias fotos do buraco e mandamos pra editora que curtiu e ficamos felizes e tudo.
Veja, generoso leit@r, a primeira experiência de capa, que não chegou a ser usada, e que nos enche de nostalgia:

domingo, janeiro 08, 2012

Era aniversário do Bob, ontem.
Tinha cachorro-quente e refrigerante. Bob só queria saber de sua bolinha de osso e fez festa apenas para Pedro, depois, atracou-se à sua bolinha, outra vez, e grunhia sempre que alguém chegava perto. Sua gengiva sangrava na roeção da bolinha de osso, mas ele não a deixou de lado por um minuto. As crianças foram chegando e um grupo delas trouxe o Smith. O Smith não gostou quando Pedro começou a tirar fotos e queria pegar o Pedro. Depois queria me pegar também, porque Pedro pediu que eu o fotografasse com Bob. Smith não queria saber de fotos.
Aí, as crianças começaram a jogar as bolas de soprar pro alto e todos entramos na brincadeira. Bolas de todas as cores eram jogadas pro alto na sala e aquelas que acaso caíssem no chão, Smith estourava. Ele também não queria saber de bolas.
Bob continuava a roer sua bolinha de osso.
Eis a foto que o Smith não queria:

sexta-feira, janeiro 06, 2012

Meu computer dando pau e hoje acordei melhor.

Depois dessas festas de final de ano, acho que ver o tempo correndo, assim, à revelia, tem me deixado bolado. Não que eu tenha medo de envelhecer ou medo de morrer, porque essas coisas não me amedrontam. E é por isso que tenho acordado melhor, quer dizer, silencioso e bom leit@r, as coisas se aprumam outra vez sem que eu tenha consciência delas, acho que à revelia. Devo resolvê-las quando durmo, sei lá...

Ou, então, se resolvem a minha volta e, aí, quando acordo vejo que estão bem, embora o tempo não deixe de estar à revelia e o meu computer esteja a dar pau.

É isso aí!

quinta-feira, janeiro 05, 2012

É de chorar o livro do João Nery “Viagem Solitária”, muito emocionante. A gente vai lendo com muito interesse a história e, de repente, pá, o porradão da emoção triste. Assim é com a história do Métius, do Dr. Farina, do encontro dele com sua mãe em Brasília.

Esse negócio de mãe é foda, eu não aguento...

... embora eu não me sinta um transexual, a gente se identifica, a história pega a gente, porque além de ser muito bem contada e da gente ir se encaixando de alguma maneira nela, quer dizer, silencioso leit@r, tudo e aprisionamento e liberdade, tem o corpo e a fantasia.

Quando a gente vê, tá dentro.

Fui.

quarta-feira, janeiro 04, 2012

Solange, tô aberta! - Macho Transtornado

Dia gostoso, mas acordei estranho, sem saber o motivo.

Ontem, B. me mostrou uma dupla que se auto-intitula, entre outras coisas, pos-pornô, de que a Rubia já tinha me avisado ser o livro Cinema Orly, um exemplar. Veja, silencioso leit@r:

terça-feira, janeiro 03, 2012

Terminei de ler o Infância, do sul-africano J.M. Coetzee.

Depois das primeiras páginas, entrei no clima do livro e não achei mais original, quer dizer, silencioso leit@r, não tive mais afastamento para achar qualquer coisa, imbuído e embevecido da história, envolvido totalmente.

Comecei com o do João Nery, Viagem Solitária, que Simon me emprestou. Solidão total, embora tenha a Vania.

Azeviche mandou um link: Aqui!


segunda-feira, janeiro 02, 2012

Dominus - Marcos Sacramento

Música que fiz com letra de marcos sacramento, e que ele gravou domesticamente um dia na casa do carlos fucks. Dominus foi gravada por Rita Peixoto no CD "na minha cara" dela e do fucks, em 1997.

domingo, janeiro 01, 2012

Eu, Simon e Pedro olhando pra 2012 quando ele chegava, na praia de Icaraí!