sábado, janeiro 23, 2010

Eu estava ainda no cochilo delicioso da manhã, quando embaixo de minha janela alguém começou:
- Ôooo, de casa! – e, claro, eu não iria deixar minha madornazinha para atender ninguém, nessa hora.
E fiquei quieto, na cama sob a janela.
Só que o Scoob, que mora embaixo de minha vizinha de janela, onde mora o Bob, começou a latir. E, aí, comecei a sair da preguiça.
E continuava:
Ôoooo, de casa! – era uma voz indefinível, que eu não conseguia distinguir, entre um rapaz e uma mulher velha.
E minha vizinha de baixo, atendeu e conversaram, mas os latidos do Scoob não me deixaram saber do que se tratava e, também, se era uma velha ou um cara.
E logo, as vozes ficaram abafadas, porque entraram para dentro da casa da vizinha.
Mas, aí, eu já tinha perdido minha madorna.
Eu estava muito curioso, porque a voz era muito simpática, era uma boa voz, voz de gente bacana, sem tensão.
Eu estava na cama e continuei, quando bateram em minha porta, ficou batendo...
E, bom leit@r, no humor da manhã, fiquei com raiva, porque, se tem uma campanhia, porque batiam?
Aí, eu fui abrir, tenso, e a velha era o rapaz da dengue.
E ele, quando entrou, achou uma larva na minha área.
E, aí, pensei que fosse ser multado, mas ele emborcou a vazilha que tinha a larva sobre o vaso de planta e foi embora.
Sim, foi isso.

2 comentários:

On The Rocks disse...

eu piro quando alguém bate na minha porta. pô, se tem campanhia!

abs

walter disse...

"A velha era o rapaz?"rs,rs.
Te orienta,rapaz!
Picada de dengue e' foda.