segunda-feira, dezembro 19, 2011

Estivemos no Saara para as compras de Natal.

Comprei bobagens para os amigos de perto e, na hora, decidi que compraria presentes para as crianças da vizinha de trás, de baixo, de janela e da frente.

Isso era uma coisa que mamãe gostava de fazer, então fiz.

Quando estávamos vindo embora, numa ruazinha que ía dar no Largo São Francisco, uns pivetes já de voz engrossada e cheios de pentelhos no saco, pediram nossa água, que bebíamos distraídos. A gente deu. Aí, olharam pra nossa cara cheios de ódio, nos chamaram de viados e, sem beber, jogaram nossa água fora.

Que ódio!

2 comentários:

Sergio Viula disse...

O preconceito pode ser maior que a sede. Perplexidade total...

Abração para você, Luiz, e para o Pedro.

Sergio Viula
www.foradoarmario.net (passa lá) ^^

ana maria santeiro disse...

não dou nada para menino de rua.