quinta-feira, junho 25, 2015

Isso de fazer apenas o que se quer, ficaria melhor vindo do pensamento de artista muito bem sucedido e com muito dinheiro e não de um artista como eu, que há muito pouco tempo se assumiu artista, embora sempre tenha sido, no vácuo em que esteve.
Dos meus trabalhos, o Cinema Orly, o Rato e o Lua Singela são os que tiveram melhor distribuição. Os outros não tiveram nenhuma. Hoje, nenhum deles, nem Cinema Íris, nem Poema Maldito, nem Mamãe me adora é distribuído e o leit@r pode encontrá-los nas promoções, nos sebos, nos restos, sobras das vendas de algumas livrarias culturais ou comigo, que consegui tê-los, e que os vendo assim, fora do mercado.
Então, mesmo que eu seja um artista que tenha pouca entrada no circuito de vendas e que, por isso, eu não viva de minha música, de meus livros, de meus quadros e tudo, não penso parar de fazê-los.  Eles são o meu motivo, meu ânimo, e construí-los é pra mim o esplendor da vida. É, assim, um fazer apenas o que quero fazer, boníssimo leit@r.
Eu poderia ser um daqueles que dizem fazer o que chamam de Art Brut.
A minha música já foi chamada de suja – ou fui eu mesmo quem chamei – e dos artistas que tenho como ídolos está o Arthur Bispo de Rosário e o Profeta Gentileza.
Eu sei, o Arthur Bispo do Rosário não faz arte suja. Nem o Profeta Gentileza colocou bandeiras sujas nas pilastras da entrada da Ponte rio Niterói, na entrada da rodoviária Novo Rio.
E nem há brutalidade em suas obras, senão delicadezas.
Esses artistas têm uma tradição divina e, embora a arte, de um modo geral, tenha essa tradição, os meus livros e discos e telas têm pretensão a um mercado.
Isso, eu acho, não é uma contradição, se liga.
Estou fazendo As Vizinhas de Trás para a Ana.
E tou achando elas lindas.
Quer dizer, a que fiz hoje estava destoando das outras, feia. Mas depois que eu coloquei uma boca nela, ela enlindeceu e ficou no páreo das outras.
Estou super contente.

Fui.

2 comentários:

Moyses p disse...

querido, tenho seus livros, escuto sua música, e adoro seus quadros. só não compro quadros , pois não acredito, e nem gosto de ter coisas, objetos perto de mim. gosto do virtual. vc é um artista foda! bjs

luiscapucho disse...

obrigado, Moyses!
:)