sábado, novembro 26, 2011

Me decidi pela “Balada do Café Triste” e li alguns contos ao acaso, fora da ordem de páginas. É um livro que foi presente do Valfredo e que o Tarcísio Buenas, quando esteve aqui, trouxe uma outra edição dele, que estava a ler.

Fora isso, a vizinha debaixo de minha Vizinha de Janela veio me perguntar se eu conhecia alguém que daria uma aula de inglês pro neto:

- Ele não pode ficar reprovado mais uma vez, Luís – disse, com uma expressão de quem pedisse dinheiro emprestado.

Imediatamente, bom leit@r, ordenei:

- Diga pra ele que traga a matéria aqui pra eu ver! – e vieram os dois com o livro. Então, começamos a estudar o inglês do livro. A vizinha olhava e, quando viu que começou a fluir, disse:

- Vou assistir novela – e desceu.

Estudamos um pouco e, aí, acabou a luz.

Ficamos de retomar hoje cedo, mas o menino não veio, quer dizer, não vou chamar.

Daqui a pouco vou pro Pedro assistir Moll Flanders. E curtir seu aniversário junto dele.

Fui.

Um comentário:

On The Rocks. disse...

A Balada é um belo livro, man.

Longa vida ao Pedro!

Abs