quarta-feira, abril 20, 2016

Sou lento demais no processamento das coisas que me acontecem, em torná-las mais simples e tudo, silencioso leit@r. Quer dizer, eu sei que sou lento, mas confio que eu processe tudo direitinho e lucidamente, dentro do tamanho que tenho. Quer dizer, aquela moça dando pulinhos de Sim, pulinhos de alegria na televisão, e que representa o desejo da maioria de deputados, e como consequência representa o desejo dos filhos e filhas e cônjuges deles e dos brasileiros, pelo impeachment da presidente, soou estranho, inacreditável aquilo. E não é o meu desejo, claro.
Estou com os que ficaram do outro lado dela que pulava em êxtase com a bandeira brasileira, pelo Sim. Estou com a cusparada do Jean Willys, com o que ela representa de desprezível pela galeria de deputados nada a ver, na câmara.
Como tenho lido por aí, tudo está começando.
Partiu.
É nóis!


3 comentários:

Fotoblocos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fotoblocos disse...

Essa cusparada representou a eterna briga entre seguidores de ditaduras de esquerda contra os seguidores de ditaduras de direita nada mais do que isso. Nenhum dos 2 em questão merece admiração!

Luís Capucho disse...

oi, Fotoblocos. Eu tenho ouvido as pessoas dizerem sobre a cusparada, que o Jean deveria ter sido mais ponderado, não ter se deixado levar pelo ímpeto, que essa é uma atitude jovem e tal. E eu entendo isso que você diz, sim, que nenhum dos dois lados merecem admiração, porque lutam pelo poder. Mas entre o lado inflexível, que respeita o crime de tortura e o lado que repeita as minorias ou a maioria pobre do Brasil, eu fico com a cusparada, entende?