segunda-feira, abril 14, 2014



Tenho direito à gratuidade nos ônibus urbanos, desde antes do ano dois mil, por conta das sequelas a que fui acometido decorrentes do coma de um mês, por neurotoxoplasmose. Nos últimos anos, essa gratuidade começou a precisar ser renovada de tempos em tempos. Fiz o meu recadastramento, com laudos médicos comprovando minha incoordenação motora, que afetou meu caminhar e minha fala. Eu estou a cada dia melhor, leit@r, mas para que eu esteja melhor, tenho necessidade de tratamentos constantes e tudo. E me devolveram o novo passe com direito a dez passagens mensais, quer dizer, cinco saídas de casa, sendo que metade dessas passagens me foram dadas pra que eu andasse de trem, que não tem em Niterói e que não uso para ir a lugar nenhum.
Então, leit@r, tenho estado às voltas com pegar outros documentos que comprovem minha necessidade de gratuidade para as terapias. E tenho andado devagar e muito, muito a pé. Vou entregar o mais rápido lá no terminal, pedindo que revejam a situação. Sorte, que Niterói é miudinho. A fono, que é no Rio, diminuí o número de sessões.
Todos os terapeutas estão me dando força. E a advogada do Grupo Pela Vidda Niterói, Patrícia Diez, está me orientando.
Fui.

2 comentários:

SergioSF Freitas disse...

Enquanto isso o mesmo governo paga auxílio reclusão às famílias dos marginais / bandidos que estão presos.

Manoela disse...

Lamentável, caro Luís. Esse país me envergonha. Fico triste ao saber disso, vendo milhares de pessoas ativas e saudáveis mamando nas tetas do governo. Este que deveria assegurar os seus, os meus, os nossos direitos.