sexta-feira, março 11, 2011

Tristeza de dia sem sol depois do carnaval.
O vizinho de baixo ouve música triste e animada que vem do Nordeste.
Minha casa ta uma bagunça, empoeirada no limite.
O que eu mesmo consigo deixar sempre com alguma ordem é a cozinha, onde faço minha comida. Do resto da casa, a desordem da vida vai se apossando até quando Dorinha poderá vir e dar seu jeito.
Vou colocar uma foto que Maria tirou de nosso carnaval no camarim do Marcos Sacramento, que cantou no Gala Gay. Estamos Pedro, eu, Rogério S., Sacramento e Ruth.
O Sacramento, a cada dia que passa vai ficando Marcos Sacramento, que coisa.
Eu fiquei um pouco frustrado com a muita caretice do Gala Gay.
E não fui só eu quem achei. Acho que todo mundo achou.
Tinha uma bicha que tinha ido no clima total de um baile gay, tava com um penacho na cabeça, sem camisa, um salto alto, e uma sainha que tremia junto com a bunda, silencioso leit@r, mas ela ficou deslocada no baile, não tinha lugar e acho que foi embora.
Eu tava travado, mas sou travado mesmo.
Pedro disse:
- Destrava, Luís! – mas eu não consegui, então, tudo bem.
Um horror!
Fui.

Um comentário:

On The Rocks disse...

você tá engraçado de peruca amarela.

abs