terça-feira, setembro 20, 2016

Eu queria fazer fotos que me representassem agora, nesse momento.
Aí, pedi a minha Vizinha de Baixo, em sua fase de abstratos, se ela faria as fotos pra mim, em seu celular. E desci, com meus livros e discos.
Como estava muito cansado, para os livros, coloquei-os em minha cabeceira e me fingi de morto, assim, um Brás Cubas.
Para os discos, coloquei minha camisa de fazer show - ainda sem a pedra de pirita que apareceu pra mim para o show de SP e ainda sem a âncora que Hayge Mercúrio me deu, no show de lá. Pintei meu olho, como tenho feito para apresentar as músicas, desde quando gostei de o Rafael Saar ter me dado esse risco meio Ney Matogrosso num olho. Então, coloquei os discos , incluindo o disco coletivo “Ovo”, na borda de uma tela que minha Vizinha ainda não tinha pintado, e como se eu mesmo fosse um seu abstrato, me sentei na frente da tela e ela fotografou.
Fora isso, ontem, Pedro deu mais uma atualizada no site. É um trabalho minucioso, demorado, aí, ficaram ainda algumas coisas por fazer -  http://www.luiscapucho.com/musica



2 comentários:

Moyses p disse...

tá lindo!!!! vc é um prazer em todos os sentidos!!!

Luís Capucho disse...

ha ha ha! Obrigado, Moyses!!! :)