sexta-feira, setembro 30, 2016

Esses meus posts curtos reclamam mais estória, por isso, venho todos os dias aqui.
Veja, generoso leitor:
Quando cheguei da rua, em casa, ontem à noite, me sentia tão cansado que a sensação era a de que eu estivesse adoecido. E pensei, se o que estava me exaurindo assim, como um doente, não era o meu estômago lutando ainda contra a cica daquela banana meio verde que eu havia comido antes do almoço.
Você sabe, tomo esses remédios há tantos anos... ou o meu estômago é mesmo como o de mamãe, que um dia e outro dizia, sentada ali na sala, com a televisão, que tal coisa tinha-lhe parado no estômago. E, aí, eu tava cansado, porque o estômago tava lutando pra tirar aquela banana cheia de cica de antes do almoço e parada nele.
Eu também, não fico batendo cabeça na noite.

Como de costume, logo que cheguei, era cedo ainda, tomei os remédios e fui dormir... 

2 comentários:

CABETO ROCKER disse...

Tantos remédios que acordam o sol
Levantam o meu ânimo bestial
Me curo na cozinha, encostado na pia
Aperto a torneira dos meus olhos
Frito a tristeza na frigideira
E volto para a cama de dormir

Porque tem cama de trabalhar
Porque tem cama de comer
Porque tem cama de se deitar
E tem cama de se morrer

Tem cura para esse mal?
Goela abaixo poesia de porres
Vômitos de palavras doces
O menino sumindo no meio dos postes

Cabeto Rocker- Doente da Silva S/A

Luís Capucho disse...

ha ha ha! <3